Trechos de livros...


 

Trechos de romances que amo...





Ela que se foda.
 Ela que se foda por entrar nesse taxi. Ela que se foda por foder com minha cabeça. Ela que se foda por não saber o que quer. Ela que se foda por me arrastar para isso. Ela que se foda por beijar tão bem. Ela que se foda por estragar minha banda preferida. Ela que se foda por mal me dizer uma palavra antes de ir embora. Ela que se foda por não acenar. Ela que se foda por ter elevado minhas esperanças. Ela que se foda por tornar minhas esperanças inúteis. Ela que se foda por ir embora com a porra do meu casaco.
Eu que me foda.
Eu que me foda por sempre entrar em situações assim. Eu que me foda por me importar. Eu que me foda por não saber as palavras que a teriam feito ficar. Eu que me foda por não saber o que quero. Eu que me foda por acenar. Eu que me foda por não retribuir o beijo dela do jeito certo. Eu que me foda por ter elevado minhas esperanças. Eu que me foda por não ter esperanças mais realistas. Eu que me foda por dar a porra do meu casaco á ela. Merda.

Nick e Norah, uma noite de amor e música - Rachel Cohn






"Medo é a cor da meia-noite" - ela recitou num sussurro. - "O som de demônios desconhecidos que chamam seu nome. Medo é fogo, e tempestade, e lugares indescritivelmente frios com os ventos da vida. Medo é trilhar por um caminho escuro e inalterado e de repente perceber que ele não leva a lugar nenhum. Mas ter de caminhar para sempre por ele. Sozinho."

Lição de Ternura - Sandra Catfield









Ela mordeu o lábio inferior com força; quando ergueu os olhos, Phillip viu como estavam nebulosos, mas seu maxilar projetava-se com teimosia.
Ele está vivo disse. Eu sei que ele está vivo, Phillip.
Querida... começou ele, reconfortando-a.
Você acha que eu ainda estaria respirando se Blake estivesse morto? perguntou em um sussurro engas­gado, mas feroz. Acha que meu coração ainda estaria batendo?
...
Você disse ao Phillip que eu tinha que estar vivo porque seu coração continuava batendo relatou, em uma voz rouca e estranha. É isso que acontece comi­go há mais de um ano. Enquanto estou respirando, sei que também respira, já que não há nenhuma possibilida­de de que eu continue vivo sem que esteja comigo!
Ela correu para os braços dele cegamente. Não via nada além de um borrão grande e forte. Foi envolvida por um abraço tão vigoroso que quase ficou sem ar.
— Beije-me
Manha de Outono, Diana Palmer









Algum dia ele lhe contaria que havia ameaçado deixar o emprego antes mesmo de começá-lo, caso não suspendessem as conversações e lhe permitissem ir para Nova Orleans. Algum dia ele lhe contaria que consultara várias companhias aéreas até descobrir a rota mais rápida para casa, depois que Marlin lhe dera a notícia da cirurgia. Algum dia ele lhe contaria que subornara o motorista de táxi para levá-lo ao hospital o mais depressa possível e, chegando ali, que havia percorrido vários corredores à procura dela. Algum dia ele lhe contaria que ficara à porta da sala de terapia observando seu esforço até ter a impressão de que o coração explodiria dentro do peito. Algum dia ele lhe contaria tudo isso. Mas naquele momento só desejava abraçá-la.
Algum dia lhe contaria como naquele momento, parada diante dele, tudo havia se esclarecido em sua mente. Algum dia ela lhe contaria como naquele momento se dera conta de que, embora não tivesse um corpo perfeito, possuía um amor perfeito. Algum dia ela lhe contaria como naquele momento havia reencontrado a própria coragem e sentido sua força, uma força com que sempre contara e sempre contaria, suficiente para o que viesse a enfrentar. Algum dia ela lhe contaria tudo isso. Mas naquele instante só desejava abraçá-lo.

Lição de Ternura, Sandra Canfield







Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras partes vizinhas, às orelhas, aos braços, aos cabelos espalhados pelos ombros, mas tão depressa buscava as pupilas, a onda que saía delas vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me, puxar-me e tragar-me.

Machado de Assis






“Mas o que não associo eu a ela? O que não a traz à minha memória? Se olho para estas lajes, vejo nelas gravadas as suas feições! Em cada nuvem, em cada árvore, na escuridão da noite, refletida de dia em cada objeto, por toda parte eu vejo a sua imagem! Nos rostos mais vulgares de homens e de mulheres, até as minhas feições me enganam com a semelhança. O mundo inteiro é uma terrível coleção de testemunhos de que um dia ela realmente existiu e a perdi para sempre…”



 O morro dos ventos uivantes, Emile Bronte





"Ela está em tal conjunção com minha alma e minha vida. Que, como uma estrela presa à sua órbita, Eu só sei me mover em torno dela..."   





Hamlet, Willian Shakespeare




[...] Você me deu seu amor, e eu não vou deixar que o tome de volta. Por mais que você tente, mais força eu terei para lutar. Vou assombrar seus sonhos à noite, exatamente como você fez com os meus, em todas as noites em que ficamos separados. Vai permanecer longas horas acordado, desejando-me ao seu lado, e sabendo que eu também estarei ansiando por você. E quando não puder mais suportar... — prometeu, dolorosamente —, então voltará para mim, e eu estarei à sua espera. Vou chorar em seus braços e lhe dizer o quanto lamento todo o mal que lhe causei, e você me ajudará a encontrar uma maneira de perdoar a mim mesma...[...]


Alguém para Amar, Judith McNaught




"lan viu as lágrimas reluzindo nos magníficos olhos de Elizabeth, e uma delas formou uma trilha no rosto suave. Com doloroso esforço, ele falou:
—Se estiver disposta a dar um passo à frente, minha querida, você poderia chorar em meus braços. E, enquanto isso, eu lhe direi o quanto lamento por tudo o que fiz... — Incapaz de esperar, estendeu os braços e apertou-a com força contra o peito. — E quando eu terminar — sussurrou, quando Elizabeth o enlaçou e começou a soluçar —, você pode ajudar-me a encontrar uma maneira de perdoar a mim mesmo.

Alguém para amar, Judith Macnaught






Disseste que te matei
Os assassinados costumam assombrar a vida dos seus assassinos, e eu tenho a certeza de que os espíritos andam pela terra.
Toma a forma que quiseres, mas vem para junto de mim e enlouquece-me!
Não me deixes só, neste abismo onde não te encontro!
Oh! Meu Deus! É indescritível a dor que sinto!
Como posso eu viver sem a minha vida?!
Como posso eu viver sem a minha alma?!

O morro dos ventos uivantes, Emile Bronte







''Minhas grandes tristezas neste mundo têm sido as tristezas de Heathcliff, e eu enxerguei e senti cada uma delas desde o início, pois ele é a suprema razão do meu viver. Se tudo o mais perecesse, e só restasse ele, eu continuaria a existir, ao passo que, se tudo permanecesse e ele fosse destruído, todo o universo se transformaria num lugar completamente estranho para mim, de que eu não faria parte. Meu amor por Linton é como a folhagem dos bosques: o tempo o transformará, estou bem certa, assim como o inverno muda as árvores. Meu amor por Heathcliff assemelha-se às rochas eternas que jazem debaixo do chão: é uma fonte de prazer pouco visível, porám necessária. Eu sou Heathcliff! Ele está sempre, sempre no meu pensamento. Não como uma alegria, já que nem sempre sou uma alegria para mim mesma, mas como o meu próprio ser...''

O morro dos ventos Uivantes, Emile Bronte





Ah! querida esposa, por que ainda és tão formosa? Pensar devo que a morte insubstancial se apaixonasse de ti e que esse monstro magro e horrível para amante nas trevas te conserve? Com medo disso, ficarei contigo, sem nunca mais deixar os aposentos da tenebrosa noite; aqui desejo permanecer, com os vermes, teus serventes. Aqui, sim, aqui mesmo fixar quero meu eterno repouso, e desta carne lassa do mundo sacudir o jugo das estrelas funestas. Olhos, vede mais uma vez; é a última. Um abraço permiti-vos também, ó braços! Lábios, que sois a porta do hálito, com um beijo legítimo selai este contrato sempiterno com a morte exorbitante.

Romeu e Julieta, Willian Shakespeare










Um comentário:

  1. Nossa, que show, amei a ideia. Peço permissão para copiar a ideia pq eu achei mesmo super... tem livros que eu amo tb e até marco trechos... que legal.
    Adorei seu blog, te convido a visitar o meu e se gostar siga, tb vou teseguir.
    eu escrevo romances, na verdade estou começando o terceiro, o primeiro foi a pedidos de amigos e amei o retorno que me deram, fiquei feliz com as dicas e o que gostaram e não gostaram. Pretendo em breve editar e vender, ainda não sei quando mas farei isso.
    Bjs, espero vc no meu blog.
    Nathal
    http://mromances.blogspot.com

    ResponderExcluir

obrigada por comentar, espero que tenha gostado do post...xoxo

Link-me